A APF – Associação Portuguesa de Franchising, reuniu esta segunda-feira, dia 07 de setembro, com o Eng.º João Torres, Secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor no Ministério da Economia e da Transição Digital.

Na audiência, a APF foi representada pela Drª Cristina Matos, Secretária Geral e CEO da APF – Associação Portuguesa de Franchising e Presidente da Task Force do Conselho Mundial de Franchising e pelo Dr. Bruno Costa, vice-presidente da APF.

O grande propósito deste encontro, solicitado pela APF, foi apresentar os resultados dos Censos do Franchising 2018/2019. O estudo revelou um aumento percentual considerável da representatividade que o franchising tem no PIB nacional, de 2,84% para 3,96%, traduzindo um aumento de 1,12%. Através dos Censos foi possível apurar que as redes de franchising em Portugal geraram, em 2018/2019, um volume de negócios de 8084 milhões de euros.

O franchising também tem sido um motor de desenvolvimento no que diz respeito à criação de emprego. Dos 4.866.700 empregos existentes em Portugal em 2018, 130.359 são provenientes de marcas do franchising. Desta forma, dos 2,72% registados em 2017, o franchising passou a representar 2,77% em 2018.

Através destes dados estatísticos, a APF – Associação Portuguesa de Franchising demonstrou o potencial que o franchising tem no apoio à economia nacional.

Durante a audiência com o Eng.º João Torres, Secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor, foi apresentada uma proposta para que a APF apoie as candidaturas à criação do próprio posto de trabalho e a formações em franchising para quem se encontre em situação de desemprego, medidas que visam a criação de empresas através do franchising.

Após a notícia de que mais de 60% das empresas em Portugal pediram insolvência em comparação com o período homólogo,  a APF disponibilizou-se perante o Governo para prestar apoio às empresas nacionais que se encontrem em risco de insolvência e que procurem soluções para a viabilização da sua atividade, em alternativa ao PER (Processo Especial de Revitalização).

Ao longo da sua história, a APF tem vindo a promover o desenvolvimento de start-ups e, nesse sentido, apresentou também em audiência a possibilidade de ser criado um fundo de apoio às start-ups em franchising e de apoio à tesouraria das mesmas, uma vez que é no primeiro ano de vida que, geralmente, as empresas precisam de mais apoio para conseguirem vingar no mercado.

Foi igualmente referida a hipótese de se vir a criar um CAE que permita identificar as marcas em franchising a operar em Portugal.

Esta audiência entre a APF – Associação Portuguesa de Franchising e a Secretaria de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor foi um passo importante naquela que é a principal missão da APF – a promoção do franchising em Portugal enquanto sistema de desenvolvimento empresarial, como solução para a criação e expansão das PME, contribuir de forma ativa para a dinamização do empreendedorismo em Portugal e a criação de negócios através do sistema de franchising.